Documento sem título

 NAVEGUE
 Principal  
 Agenda  
 E.B.D.  
 Estudos  
 Galeria de Fotos  
 Meditações  
 Mensagens (texto)  
 Mensagens (vídeos)  
 CRISTO LIBERTA
 Quem somos  
 Bispo Tiezzi  
 Congregações  
 Fale conosco  
 SERVIÇOS
 Leia a Bíblia  
 Plano de Leitura  
 Guia Comercial  
 ADICIONE




Dê o testemunho
daquilo que o
Senhor fez na sua
vida... Agende com
antecedência!

Procure os Pastores
Sérgio Cruz e
Gutemberg Viana.



Este site é melhor visualizado em
1024 x 768 pixels ou superior.
Use o
Internet Explorer
5.5 ou superior.



Livre para viver
Porque as armas da nossa milícia não são carnais, mas, sim, poderosas em Deus, para destruição das fortalezas. (II Coríntios 10.4)

Temos duas fortalezas e dois senhores em nossa vida. Deus, o Bem; ou Satanás, o mal. Ou é de um ou é do outro. Não pode ficar neutro. “Andando na carne” quer dizer ser conduzido pela nossa mente e pelos nossos instintos e desejos naturais de todos os seres humanos. “Andar na carne” é viver como todos vivem: debaixo das leis naturais. Porém, como cristãos, nascidos de novo, não agimos e nem obedecemos aos instintos carnais, mas servimos a Deus e obedecemos à Sua Palavra.

Vejamos o que a Palavra de Deus nos informa:

(Colossenses 1.21-22) - A vós também, que em outros tempos éreis estranhos e inimigos no entendimento pelas vossas obras más, agora, contudo, vos reconciliou no corpo e na carne, pela morte, para, perante ele, vos apresentar santos, e irrepreensíveis, e inculpáveis.

(Efésios 5.8) – Porque, em outro tempo, éreis trevas, mas, agora, sois luz no Senhor; andai como filho da luz.


Isto é confirmado em Colossenses 2.15 – E, despojando os principados e potestades, os expôs publicamente e deles triunfou em si mesmo.

E, para expulsar os principados e os exércitos do inimigo, que são sempre muito ativos, devemos usar as armas espirituais dadas por Deus. Toda a semente de escravidão está na mente. Por isso, toda a opressão maligna deve ser expulsa em nome de Jesus.

Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente, sereis livres (João 8.36).

Somente quem é liberto destas forças malignas pode viver uma vida de verdadeira liberdade em Cristo Jesus, que nos adverte: Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará (João 8:32).


I - Quais são as fortalezas que devem ser destruídas?


São os maus hábitos e pensamentos pecaminosos que se estabeleceram em nossas mentes quando ainda não conhecíamos a Jesus Cristo. O ambiente mundano em que vivíamos nos ensinou a pensar e a reagir, perante os incidentes da vida, de modo irracionais e vulgar. E tais padrões e reações se encravaram em nossa mente como verdadeiras fortalezas.

E como os pensamentos e comportamentos negativos são apreendidos desde a tenra infância, alguns dizem e afirmam que o caráter é formado no berço. Mas eles podem ser lavados e desaprendidos pelo estudo da Palavra:

Tito 3.5 - ...Mas nos salvou pela lavagem da regeneração e da renovação do Espírito Santo...

Todavia, quando nos tornamos crentes em Cristo Jesus, ninguém apertou, como se faz no computador, a tecla limpar ou delete, para que a nossa mente fosse totalmente limpa e assim, como conseqüência, todos os seus velhos hábitos e padrões carnais não foram apagados. E continuam como parte de nossa vida, que precisa ser constantemente vigiada.

Graças a Deus, nós não somos apenas um produto do passado:

Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é: as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo (II Coríntios 5.17).

As velhas fortalezas podem ser destruídas através da fé em Jesus Cristo. As pessoas com problemas precisam ser libertadas das cadeias de mentiras de Satanás, mediante a verdade de Cristo Jesus.


II – Uma vez livre é livre para sempre?

Quer dizer que uma vez salvo, permanece salvo para sempre? Lógico que não, mas a nossa salvação é ganha pela força. Tem igreja que prega esta heresia. Dizem: “Uma vez salvo, é para sempre”. Como seria bom se efetivamente fosse assim. Não pense que o inimigo deixou de interessar-se por você, e com certeza estará tentando manipular a sua mente, batendo no ponto fraco que antes nos dominava. Tudo fará para nos arrastar do caminho santo.

Vejamos em I Pedro 5.8 - Sede sóbrios, vigiai, porque o diabo, vosso adversário, anda em derredor, bramando como leão, buscando a quem possa tragar.

O seu propósito é tentar infiltrar pensamentos na nossa mente e promover suas mentiras diabólicas, em contraste com a verdade de Deus. E sabe que, se consegue controlar os seus pensamentos, controlará toda a sua vida.

As Escrituras nos ensinam como Satanás conseguiu colocar pensamentos errados na mente do profeta e rei Davi, o homem segundo o coração de Deus e o doce cantor de Israel que de simples camponês se fez rei. Como conseguiu mudar a cabeça de Judas Iscariotes, que passou de escolhido por Jesus Cristo para ser discípulo e tesoureiro da equipe a um traidor; e como mudou o pensamento de Ananias e Safira, que mentiram ao Espírito Santo e tiveram fim trágico. E muitos outros.

Por isso, com estas palavras de alerta, é bom permanecer sob a proteção do Senhor.


III – O dia em que a terra foi liberta

Vamos a examinar rapidamente o dia da história que alterou para sempre o relacionamento entre Deus e o homem: o dia em que Jesus morreu.

São estes os fatos. Jesus foi pregado na cruz por volta das nove da manhã. Ele orou por aqueles que O pregaram na cruz. Tomou então providências quanto ao bem-estar de sua mãe, entregando-a aos cuidados do apóstolo João, Seu discípulo amado. Pouco antes de meio-dia, começou Seu diálogo com os dois criminosos que O ladeavam, e um deles, arrependido, creu no Senhor. Jesus lhe prometeu um lugar no Paraíso, a partir do momento em que morresse.

Ao meio-dia, Deus lançou um véu de escuridão sobre toda a terra. Tudo ficou escuro como breu. Creio que Deus fez isso para que ninguém pudesse testemunhar visualmente o horror daquilo que estava acontecendo a Jesus, porque naquele momento toda a ira de Deus O engolfou, permitindo que os pecados de toda a humanidade fossem lançados sobre Ele.

(Mateus 27.51-53) E eis que o véu do santuário se rasgou em dois, de alto a baixo; a terra tremeu, as pedras se fenderam, os sepulcros se abriram, e muitos corpos de santos que tinham dormido foram ressuscitados; e, saindo dos sepulcros, depois da ressurreição dele, entraram na cidade santa, e apareceram a muitos.


Durante esse período, Jesus não emitiu um murmúrio sequer. Mas, de repente, o silêncio foi quebrado e Jesus, em sua humanidade, clamou: Eli, Eli, lemá sabactâni, isto é, Deus meu, Deus meu por que me desamparaste? (Mateus 27.46).

Naquele instante, Deus tinha assinado o certificado de libertação de todos os homens, desde o começo da humanidade até o fim da história, e o pregara na cruz, tornando Jesus culpado e responsável por todos eles.

Deus teve que virar as costas a Seu Filho em hora de maior necessidade, pois Cristo voluntariamente se fizera pecador em nosso lugar.

Seu grito foi o fruto de uma profunda agonia de alma, pois, pela primeira e última vez, por toda a eternidade, a Segunda pessoa da Trindade, Jesus, ficou separado das outras Duas, o Pai e o Espírito.

Ninguém jamais ficará tão só quanto Jesus ficou lá na cruz. Ele foi separado de todas as pessoas a quem amou e em que confiou. Abandonado pelos amigos mais íntimos, abandonado por Deus-Pai e por Deus-Espírito Santo, abandonado por todos, ficou ali pendurado, numa solidão que ninguém jamais conseguirá entender.

Você sabe por que Ele fez? Para que eu e você jamais precisássemos viver sós; para que pudesse dizer aos que creem nEle: Não te deixarei, nem te desampararei (Hebreus 13.5).

Mas esse não foi o fim da história. Momento antes de entregar Sua vida terrena e encomendar Seu espírito ao Pai, Ele gritou palavras que são uma declaração de independência de todos os verdadeiros crentes.

Esse grito foi: Está consumado! E, inclinando a cabeça, entregou o espírito (João 19.30).

Deixe que estas palavras queimem como fogo em sua mente, porque são exatamente as mesmas palavras que um juiz romano escreveria sobre o Certificado de dívida de um criminoso liberto, atestando que já tinha pago a sua dívida.

Esta declaração foi usada neste sentido e significa totalmente pago, sendo traduzida na Bíblia por Está consumado!

Epílogo.

No entanto, se uma pessoa insiste estupidamente em permanecer prisioneiro de seus pecados, mesmo que a sua divida já tenha sido paga, o certificado de divida quitado e assegurada a sua liberdade, não lhe servirá para nada.

E, quando chegar ao fim de sua vida, terá de pagar a penalidade de morte e separação de Deus, embora isso seja totalmente desnecessário. Jesus pagou a nossa dívida!


Amar é a minha vida, abençoar é a minha Mensagem!




Mensagem Postada em 04/01/2015 por: Bp. Tiezzi

       


Conheça outros trabalhos dentro do nosso Ministério.




Desenvolvimento e Hospedagem